Cadu Doné

Coluna do Cadu Doné

Veja todas as colunas

Julgamento de Messi

A confusão entre individual e coletivo, os “idiotas da objetividade”, as verdades escondidas por trás de resultados...  

19/06/2019 às 01:17

 

O melhor jogador do mundo chega ao Mineirão nesta quarta num cenário de total pressão. O suposto insucesso de Messi na seleção argentina voltou a ganhar ressonância após a derrota para a Colômbia. De novo, proliferam-se os discursos injustos e simplórios a este respeito. É impressionante como as narrativas no futebol são construídas com apego excessivo a resultados, aspectos “objetivos”, palpáveis, e que, no fundo, estão longe de refletir o que realmente aconteceu em campo. A dificuldade para abraçar incertezas, para dizer/entender que o jogo coletivo às vezes simplesmente não encaixa – não obrigatoriamente por elementos justificáveis, mensuráveis pelo “tatiquês” vigente –, e não há teorias redentoras capazes de definir acertadamente heróis e vilões, não existe o que julgar de forma peremptória, segue um defeito crônico também de larga fatia da mídia esportiva – que pouco parece ter aprendido com Nelson Rodrigues, os “idiotas da objetividade”, o “Sobrenatural de Almeida”. O ser humano tem problemas para aceitar o acaso, a ausência de explicações, o silêncio, a dúvida, o papel da sorte. Precisando preencher infinitos programas de opinião lutando pela audiência a qualquer preço, guiados por diferentes tipos de imediatismo, pela cobrança por uma aparente coragem, pela transmissão de certa aura de “firmeza”, então...

A “verdade” histórica no futebol em grande medida é erguida com muita gente avaliando com pouco acompanhamento qualificado de considerável amostragem das partidas na íntegra. Episódios, lances esporádicos, edições de melhores momentos, idealizações, falas meramente apropriadas, placares de duelos, e a quantidade/conquista de títulos regem, condicionam teses elaboradas com conteúdo equivocado ou, no mínimo, repletas de precipitações, espécies de generalizações – no sentido de que não daria para cravar o que está sendo dito e/ou que a verdade estaria não numa proposição reguladora, formulática, daquelas que exprimem regras, modelos a serem seguidos, e sim na soma de facetas antagônicas, conflitantes; de instantes que de certa forma “confirmariam” o resultado final com outros que o “contrariariam”. Falo aqui da patológica recorrência ao “preto no branco”, do pouco espaço geral para bem-vindos tons de cinza. Se você colher material, versões, análises acerca do título da Alemanha na Copa do Brasil encontrará uma série de arroubos unilaterais – e fica ainda mais difícil incluir qualquer aparente relativização quando uma hecatombe como os 7 a 1 colore merecidamente a caminhada. Dizer, porém, que tirando nas semifinais o desempenho não fora tão maravilhoso assim – e vejam bem, não o estou classificando nem como “ruim”, nem como insuficiente para merecer ganhar –, não é exatamente popular – é uma realidade que permanecerá escondida em recônditos tão iniciados quanto capazes de, a partir de informação mais completa, pensar fora da caixa.  

Messi nunca ganhou títulos pela seleção principal da Argentina. Chegou a três finais seguidas. A linha no futebol frequentemente é tênue demais. O esporte volta e meia tem generosas camadas de crueldade. Não fossem certos erros que nada tiveram a ver com ele, a conquista do Mundial de 2014, por exemplo, poderia ter vindo. Do mesmo jeito que é simplório somente pegar o resultado coletivo para sustentar o fracasso individual, seria superficial apontar que ele teve exibições no seu melhor nível pela seleção e bajular excessivamente atuações específicas caso a única diferença entre o que aconteceu, e o que poderia ter ocorrido, fosse Higuaín ter colocado o pé na forma. A performance individual de Messi continuaria a mesma. Nem melhor, nem pior. Nem ruim como muitos pintam agora, nem exatamente no mesmo nível que ele apresentou no Barcelona 500 mil vezes. Mas alguma dúvida que o julgamento público dele, com a simples mudança de algo realizado por outra pessoa, seria completamente diferente?

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link