Cadu Doné

Coluna do Cadu Doné

Veja todas as colunas

Cruzeiro na final: chaves para a vitória, defeitos, tática...

Ideias que podem ser decisivas contra o Corinthians...

10/10/2018 às 12:41
Cruzeiro na final: chaves para a vitória, defeitos, tática...

Ao contrário do clichê disseminado com veemência por aí, o principal problema do Cruzeiro não tem sido dificuldade para propor o jogo. A imprecisão na escolha e na execução das ações nos instantes decisivos, quando a equipe está próxima da meta adversária: este sim vem sendo o defeito primordial – que cai mais na conta dos atletas do que do treinador. Com boa frequência a equipe até controla, em considerável medida se impõe, cria, mas o acabamento no terço final... Neste aspecto, Thiago Neves é um dos que mais falha, inclusive na tomada de decisão de cara para o gol, no momento em que ele mesmo haveria de arrematar, de alguma forma resolver.

Pela primeira vez em tempos recentes a Raposa abrirá um mata-mata em casa. Se tivermos em mente o intento de provar-se contundente, de tentar uma vantagem mais clara em BH, e o fato de que o Corinthians deve se fechar, para ser mais efetivo na construção e não sucumbir diante de uma marcação tão forte quanto possivelmente competente, os comandados de Mano podem aplicar algo que fizeram no começo do duelo final contra o Atlético pelo Mineiro, e nem tanto na eliminação frente ao Boca: laterais abrindo o campo, dando amplitude subindo ao mesmo tempo; liberdade para os “pontas” flutuarem pelo centro de modo a confundir os oponentes e dando superioridade numérica no setor. O PSG, na goleada contra o Estrela Vermelha pela Champions – eu sei, eu sei... –, utilizou inteligentemente este artifício. Di Maria e Mbappé, os homens de beirada – Neymar atuou mais centralizado, como uma mistura de armador e segundo atacante, ao contrário do que fizera na derrota para o Liverpool –, afunilavam, se “espremiam” para dialogar com o brasileiro e Cavani, aumentando a compactação, a chance de tabelas e triangulações. Para não perder opções pelos flancos, para não embolar o jogo excessivamente pelo meio, porém, os dois laterais atacavam “espetados”, ao mesmo tempo, com assiduidade muito grande.

Outro recurso que o escrete cinco estrelas poderia empregar na procura por um placar que concederia razoável tranquilidade é o da marcação pressão. Aí entra nova dificuldade do elenco atual: as peças escolhidas para o quarteto ofensivo muitas vezes possuem sérios limites físicos para a concretização deste expediente com o mínimo de força e frequência. Barcos, Robinho e Thiago Neves, usualmente titulares, não são exatamente os nomes ideais para esta ideia que exige certa intensidade. Raniel é bom nisso, incomoda bastante os zagueiros na saída de bola. Uma referência interessante, caso os atletas consigam dar um gás para este tipo de estratégia, deu as caras no empate entre Liverpool e City no fim de semana. O cotejo entregou menos do que imaginava-se, é verdade. Ainda assim, digna de nota foi a maneira com que, sobretudo em larga parte da etapa inicial, o trio Salah, Mane e Firmino infernizava os zagueiros/volantes dos Citizens – a coordenação dos movimentos dos três nesse combate, saindo na hora certa, do jeito exato, agrupados, corretamente compactados, distribuídos...  

O absurdo, o completamente injusto desfalque de Arrascaeta – culpa primordial da CBF, mas os clubes não deixam de ser partícipes, subservientes a este calendário surreal – carrega potencial de mostrar-se decisivo não “apenas” pela qualidade do uruguaio. Há uma comunhão entre o talento e o estilo de jogo dele que o torna bem peculiar no grupo azul: Arrascaeta é o único cara mais agudo, vertical, veloz, com aptidão claramente privilegiada para o diferente. TN30 e Robinho possuem técnica, habilidade, porém são mais lentos, cerebrais; Rafinha é rápido, carrega bem a bola, mas é mais comum, burocrático. David ainda não se acertou. Essa falta de alguém capaz de tirar um coelho da cartola conduzindo, driblando, aproveitando os espaços com arrancadas, escapadas individuais que fogem de certo lugar-comum, de determinado limite, pode realmente atrapalhar. Mesmo sem seu gringo selecionável, todavia, o time do Cruzeiro é melhor do que o do Corinthians.

Escreva seu comentário

Preencha seus wdados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Homem é preso após tentar passar a mão nas partes íntimas de mulher em ônibus de BH. https://t.co/SrDeoU7CH1 https://t.co/3Jz4MmXSsH

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    Caso aconteceu dentro de um coletivo Move da linha 65.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    "Complicado, né? Muito imposto pra pagar e se não pagar eles vêm e fecham seu comércio", lamenta sócio da padaria. Leia mais!

    Acessar Link