Cadu Doné

Coluna do Cadu Doné

Veja todas as colunas

Neymar e os defeitos epidêmicos

Vários dos defeitos de Neymar não são “típicos” dele; são epidêmicos no futebol...

12/07/2018 às 03:38
Neymar e os defeitos epidêmicos

Todo o interminável e quase sempre chatíssimo falatório sobre Neymar, como não poderia deixar de ser, tem se provado repleto de bobagens, falsas verdades; “narrativas”, “explicações” com aura redentora, supostamente capazes de esgotar o tópico. Num dos infinitos vídeos de pessoas abordando o tema mundo afora, um torcedor inglês declara, com ar de altíssima ponderação, que nossa estrela maior dá uma “má reputação” ao país; que os outros jogadores brasileiros não recorrem a simulações e artifícios do gênero. Sério? Ele já viu cinco minutos, que seja, do nosso Nacional? Que tal mandarmos para ele o gol de mão de Jô no último título do Corinthians, acompanhado de um DVD com as surreais opiniões, os cínicos depoimentos acerca do episódio? E se falarmos de quando Rodrigo Caio decidiu ser honesto e por isso foi criticado, inclusive, por muitos jornalistas? Nem por um segundo estou defendendo o “menino Ney”; discordo de inúmeras facetas de sua conduta; simplesmente não é verdade, contudo, que “só ele” dá uma imagem adversa ao futebol tupiniquim; que esta seria uma idiossincrasia dele; a falsidade, o “vencer a qualquer preço”, todo tipo de mesquinharia está completamente enraizada na cultura do nosso esporte bretão nos mínimos detalhes. E acrescentemos: isto está longe de ser um privilégio do Brasil. É um problema comum à modalidade, em si – há alguns lugares, nesta área, nos quais tal fenômeno é menos grave; outros em que vige de forma similar à das nossas fronteiras.

Outra mania que se espalha é a de fantasiar/idealizar o passado e entrelaçar traços de conduta de modo extremamente determinista. Por exemplo: o fato de Neymar ser um ator nato – embora de péssima qualidade; “Malhação”, não Daniel Day-Lewis – frequentemente acaba relacionado ao seu status de popstar, “garoto propaganda”; daí para o “futebol Nutella”, o “hoje só importa o dinheiro, o marketing”, é menos de um passo. Nesta esteira, gostam de citar como referências opostas atletas que eram arquétipos de “discrição”, de “anti-marketing”; caras que, também na seara “cai-cai”, teoricamente seriam diferentes de Neymar. Rivaldo: “jogador raiz”; “injustiçado”; “craque que só não foi mais valorizado porque era alheio aos holofotes”. Em certa medida, ok. Daí a fazer as associações livres – na linha descrita – que têm sido comuns, nos últimos tempos, vai um oceano de distância. Não me recordo de simulação mais ridícula, mais “vergonha alheia” do que a de Rivaldo em 2002, contra a Turquia. Nem Neymar, até hoje, conquistou semelhante feito. Se Daniel Day-Lewis sempre ganha o Oscar, o Framboesa de Ouro vai para Rivaldo. Talvez Neymar venha a receber um pelo “conjunto da obra”...       

Neymar exala frescura, o anti-intelectual, falta de personalidade – em algumas acepções; algo Kitsch, barango; é produto e sintoma de um futebol que, sim, muitas vezes dá preguiça. Suas entrevistas são paupérrimas. Nem uma fusão da KGB com a CIA, uma união de Jô Soares com Marília Gabriela parecem suficientes para algo dele extrair. A coisa do visual, do cabelo, da preocupação com estes aspectos, claro, ultrapassa diversos excessos. Mas tudo isso – e o que vou dizer não isenta, não justifica – apresenta-se como algo muito mais comum no esporte atual – não só no futebol, não apenas no Brasil – do que imensa fatia dos torcedores/comentaristas de ocasião, típicos de Copas, dão a entender em seus julgamentos do “menino Ney”.

Quando Morrissey apareceu diante da seleção inglesa, em 2014, num hotel em Miami, só Leighton Baines – uma espécie rara de jogador indie, Mod; amigo de Miles Kane – e Gary Neville – entranhado na cultura de Manchester, contaminado pela relação do United com o Stone Roses (talvez por osmose, “obrigação”) – o reconheceram. Parece que não tem a ver. Mas tem...

Foto: Pedro Martins / MoWA Press

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    ⚽️#Bahia escalado: https://t.co/7p8bls98na

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    "Estão querendo que desistamos dos nossos direitos para receber algo que já está acordado. As mineradoras estão achando que vão colocar cabresto nos prefeitos".

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    ⚽ Lógico que quero dar continuidade e ter sequência. 👇

    Acessar Link