Eduardo Costa

Coluna do Eduardo Costa

Veja todas as colunas

Sobre Jobs, rádio e jornal

Faça esse exercício. Verifique se, na sua empresa, os melhores salários ...

15/04/2019 às 12:10
Sobre Jobs, rádio e jornal

Concluí, no fim de semana, a leitura das 600 páginas de “Steve Jobs por Walter Isaacson”, a incrível biografia autorizada - mais que isso, solicitada - de um homem que não interferiu e não quis conhecer o texto, quando lutava contra o câncer, embora fosse conhecido por sua obsessão pelo controle de tudo ao seu redor. 

Adotado, rebelde, usuário de drogas, zen-budista, vegetariano, sujo, descalço, arrogante, malcheiroso, cruel, largou tudo aos 20 anos e fez peregrinação de sete meses à Índia. Voltou, montou uma empresa e aos 25 já era milionário. Cinco anos depois foi expulso, mas voltou 12 anos depois para salvá-la da falência e transformá-la na mais valiosa do mundo.

O livro sobre o criador da Apple é um espanto. Como alguém pode ser tão genial e insuportável em uma só encarnação? Por que o cara que cria a empresa mais encantadora não vive mais para colher os frutos do sucesso? Por que ele tem a capacidade de mudar a vida de todos os humanos a partir da tecnologia, mas não é capaz de acolher, abraçar e ser feliz ao lado de uma filha? 

Entretanto, o que mais mexeu comigo foi uma fala de Jobs, capturada pelo experiente Walter - jornalista e autor de um livro que resultou de dezenas de entrevistas com o próprio Jobs e centenas de outras, com amigos, adversários - e que está entre os legados do homem que mudou nossas vidas. Disse ele:

“Tenho minha própria teoria sobre a razão do declínio de empresas como a IBM e a Microsoft. A empresa faz um grande serviço, inova e torna-se um monopólio, ou quase isso, em alguma área, e depois a qualidade dos produtos torna-se menos importante. A empresa começa a dar valor aos grandes vendedores, porque são eles que têm impacto nos rendimentos, não os engenheiros ou designers de produtos. Com isso, o pessoal de vendas acaba dirigindo a empresa... Quando o pessoal de vendas dirige a empresa, o pessoal de produtos deixa de ter importância, e muitos simplesmente perdem o interesse... Odeio pessoas que se intitulam empresários quando na realidade o que estão tentando fazer é criar uma empresa para vendê-la ou abrir o capital, ganhar dinheiro e seguir adiante”.   

Guardei o livro, abri o celular e vi comentários de leitores sobre pesquisa do “DataFolha” sobre a credibilidade das instituições. O primeiro leitor disse: “Vocês já fizeram pesquisa sobre sua credibilidade?” Em seguida, recebi dos amigos Carlos Rubens e Vagner Espanha, amantes do rádio como eu, notícias do fim do AM da Rádio Globo, uma grife das mais reluzentes durante a maior parte do século passado. Fiquei pensando na Xerox, na Kodak... Por que será que empresas gigantes desaparecem do mercado? Acho que Jobs me deu o Norte para entender.

Os artesãos criam o sonho, o produto, a empresa; então, como a galinha precisa cantar para anunciar o ovo, os vendedores entram em ação... E, com o passar do tempo, o “vender” torna-se mais importante que o “fazer”; se há um prêmio, quem vai receber é o vendedor... O torneiro mecânico da indústria, apurador da redação, o motorista, o auxiliar, o burro de carga, bom, esse fica com o salário e agradeça... E assim, a alma, a essência das empresas vai se esvaindo... Afinal, quem está no comando ou é o vendedor ou alguém que só ouve o vendedor...

Faça esse exercício. Verifique se, na sua empresa, os melhores salários estão com os do chão de fábrica ou com o pessoal de vendas. Observe se, quando a Assembleia, a Câmara ou o governador vai homenagear a empresa e o presidente não pode ir quem ele indica para receber a placa: o peão uniformizado ou o vendedor engravatado? Na sua empresa, quem tem sala própria, secretária e garçom servindo cafezinho, o diretor comercial ou o chefe da produção? Esse exercício de reflexão não está repleto de ressentimentos – essa é a palavra dos nossos tempos. Na verdade, quer chamar a atenção para o simples fato apontado por Jobs. O vendedor é ótimo, merece ganhar bem e ser prestigiado. Mas ele só vende. 

Se o que rala, cria, inventa e reinventa não estiver motivado, quando a primeira crise vier, o barco afunda. E o bom vendedor, o homem do comercial, vai dizer: como vender se não temos o mesmo produto da concorrência? E é provável que o presidente, se não for o próprio vendedor, vai reunir a diretoria para saber quem é mesmo o cara que devia inovar...

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Bolsonaro provoca presidente da OAB: 'Posso contar como o pai dele desapareceu' https://t.co/VL1QAuI1sI https://t.co/uO2itrIBJh

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link