Rômulo Ávila

Coluna do Rômulo Ávila

Veja todas as colunas

Fim da geral do Mineirão completará uma década

05/07/2019 às 09:30

Lúcia Sebe/Secom MG

Há nove anos, no dia 6 de junho de 2010, o Mineirão se despedia dos geraldinos. A partida entre Atlético x Ceará, válida pela sétima rodada do Brasileirão daquele ano, foi a última antes do fechamento do Gigante da Pampulha para a modernização visando à Copa do Mundo de 2014. A torcida deu lugar às máquinas e aos tapumes e, para muitos, o estádio nunca mais foi mesmo, apesar do alardeado 'padrão FIFA'. Em 2020, o fim da geral completará uma década. 

Lembrei da geral do Mineirão em razão das principais partidas da Copa América disputadas no estádio e que têm preços de ingressos que excluem o povão. Em proporção menor, tal exclusão também é percebida nas principais competições envolvendo clubes do país. E é neste contexto de futebol moderno excludente - não o de ilicitude para policial que mata - que a geral faz ainda mais falta. O setor serviria, como sempre fez, para democratizar o futebol atual, garantindo a presença dos mais pobres nos estádios, o que é cada vez mais raro.

Ao correr os olhos pela torcida no Brasil x Argentina, tive a certeza de que o futebol popular, dos geraldinos do Mineirão, do Maracanã e de outros tantos estádios Brasil afora, é, infelizmente, coisa do passado. 

A geral era o setor mais democrático do futebol. Quantas e quantas vezes optei pela geral para 'sobrar' dinheiro do tropeirão! Repito aqui o trecho de artigo publicado recentemente neste espaço: por mais que a visibilidade não fosse a ideal, era lá que ficavam os torcedores mais humildes e fanáticos. Era lá que o pai assalariado levava o filho para ver o time do coração. Pouco importava se ele tivesse que ficar com a criança nas costas durante os 90 minutos, se tivesse chovendo ou fazendo um calor do deserto. Lá estavam os geraldinos, alegres e empurrando o time do coração. O clima único da geral era tão especial que muitos não trocavam o local nem mesmo por vaga na também extinta cadeira cativa. 

E pensar que já são nove anos sem os geraldinos. É triste constatar que o esporte mais popular virou exclusividade da elite. A extinção dos geraldinos é a prova mais cruel disso. Que saudade da geral!  

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link