Eleições 2018

Vitória de Bolsonaro é destaque em alguns dos principais jornais internacionais

29/10/2018 às 08:33
atualizado em: 29/10/2018 às 10:14

Texto:

Foto: Reprodução
Reprodução

A vitória do agora presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) sobre o petista Fernando Haddad é destaque de capa na edição desta segunda-feira de alguns dos principais jornais internacionais. Nos Estados Unidos, o jornal The New York Times afirma que "Em guinada à direita, eleitores no Brasil impulsionam populista" e aponta que o capitão reformado ganhou "facilmente", num momento em que o País "rejeitou o status quo". Seguindo a mesma linha, o The Wall Street Journal diz que "Vitória de conservador sinaliza forte guinada à direita no Brasil".

Na Europa, o assunto é a manchete principal do espanhol El País, com o título "Brasil elege extremista Bolsonaro como presidente por ampla maioria". O britânico The Guardian, por sua vez, traz na capa uma grande foto de Bolsonaro dizendo que ele estava "prestes a conquistar o poder", numa edição que ainda não trazia o resultado da eleição brasileira. Já o francês Le Figaro traz a chamada "Jair Bolsonaro vence a eleição presidencial".

Na América do Sul, os argentinos El Clarín e Página 12 dedicaram a manchete principal de hoje ao pleito brasileiro. O primeiro afirma que "Bolsonaro chegou ao poder com um claro triunfo e prometeu 'mudar o destino do Brasil'". O segundo traz uma montagem da estátua do Cristo Redentor com uma lágrima de sangue escorrendo do olho e o título "A tristeza não é apenas brasileira".

Últimas Notícias

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    ⚽️#Atlético: Vice-presidente do @Atletico @lasaroccunha entregou camisa oficial ao presidente da @CONMEBOL Alejandr… https://t.co/vbt5CRlEZ7

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    "A pessoa que faz isso é capaz de roubar. Por isso repito a frase: quem mente também rouba”, diz o senador. Você concorda?

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    No Brasil, 28% dos diretores dizem ter testemunhado intimidação ou bullying entre estudantes - o dobro da média da OCDE.

    Acessar Link