Notícias

Assembleia de Minas aperta o cinto

Com austeridade e responsabilidade, Legislativo estadual corta despesas e mantém o foco nas atividades essenciais

Por ALMG, 27/06/2018 às 13:03
atualizado em: 28/06/2018 às 12:05

Texto:

Foto: Guilherme Bergamini/ALMG
Guilherme Bergamini/ALMG

A Assembleia de Minas tem dado sua contribuição para superar as dificuldades financeiras do Estado

Não se pode gastar mais do que se tem. Essa é uma regra de ouro para quem gerencia o orçamento doméstico e, claro, vale também para a gestão do gasto público. Afinal, nada mais importante do que austeridade e responsabilidade neste período em que o foco deve ser superar as dificuldades financeiras enfrentadas pelo Estado.

E a Assembleia de Minas tem contribuído para esta missão. O esforço para racionalizar custos atingiu o próprio processo legislativo. Desde setembro de 2015, o Parlamento mineiro diminuiu o ritmo de viagens. As reuniões das comissões no interior do Estado chegaram a ser suspensas e hoje seguem em número limitado.

Da mesma forma, houve redução de atividades como seminários legislativos e fóruns técnicos, que demandam etapas de interiorização. Essas mudanças levaram a uma economia de 45% com transporte.

Solenidades também foram revistas. A entrega da Ordem do Mérito Legislativo, realizada anualmente em grandes espaços da Capital, passou a ser bianual. A última edição, porém, foi feita em 2015 e na própria sede da ALMG.

Outro exemplo é a Cantata de Natal, que foi mantida em sua essência, sem as atividades paralelas de antes e com materiais mais simples. Medidas como essa levaram a redução de 86% na rubrica eventos.

Por outro lado, para preservar a transparência e o acesso dos mineiros ao trabalho de seus representantes, foi feito um investimento estratégico em tecnologias de comunicação. Além do lançamento do Portal Mobile, todas as reuniões de comissões passaram a ser transmitidas ao vivo pela internet, e o cidadão pode, ainda, participar de forma interativa das audiências públicas, de onde estiver.

Ao mesmo tempo, a Assembleia buscou conter os gastos fixos, permitindo apenas a correção inflacionária. A variação percentual de suas despesas, descontada a inflação medida pelo IPCA, chegou a ser negativa entre 2013 e 2016 e teve alta de apenas 0,17% no ano passado.

A principal despesa, relativa a pessoal, se manteve abaixo do limite de 2% da Receita Corrente Líquida (RCL) do Estado, conforme determina a Lei de Responsabilidade Fiscal. Em 2017, por exemplo, essa despesa foi de 1,69% da RCL, incluindo-se o pagamento de inativos e pensionistas. O limite legal é de 2%, e o limite prudencial, de 1,90%.

Os gastos do Legislativo correspondem a pouco menos de 1,4% do total do Estado. Mesmo assim, em meio às restrições financeiras vividas por Minas Gerais, a Assembleia fez a sua parte e executou o orçamento previsto, sem necessidade de suplementação orçamentária.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    ⚽️#Bahia escalado: https://t.co/7p8bls98na

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    "Estão querendo que desistamos dos nossos direitos para receber algo que já está acordado. As mineradoras estão achando que vão colocar cabresto nos prefeitos".

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    ⚽ Lógico que quero dar continuidade e ter sequência. 👇

    Acessar Link