Notícias

Diretor da Vale estabelece prazo de três meses para respostas da tragédia em Brumadinho 

Por Redação , 26/07/2019 às 11:21
atualizado em: 26/07/2019 às 11:31

Texto:

Ouça na Íntegra
00:00 00:00
Foto: Cadu Rolim/ Estadão Conteúdo
Cadu Rolim/ Estadão Conteúdo

Ao longo desta semana, a Itatiaia veiculou uma série de reportagens para tratar dos seis meses da tragédia em Brumadinho, Região Metropolitana de Belo Horizonte. Desta vez, a reportagem dá voz à mineradora Vale, empresa dona da mina Córrego do Feijão, local onde estava a barragem B1 que rompeu em 25 de janeiro e deixou até o momento 248 mortos – 22 corpos ainda não foram localizados. 

Ouça aqui a matéria completa com o repórter João Felipe Lolli 

Em abril, três meses após a tragédia, a Vale criou uma diretoria exclusiva para o assunto. O engenheiro químico Marcelo Klein foi nomeado diretor de reparação e desenvolvimento.

As perguntas sobre a tragédia são muitas. Quem foram os culpados? Houve negligência? O rompimento era evitável? “Estamos aguardando os diversos processos de investigação. Temos um comitê independente de apuração, um painel de especialistas. Nossa expectativa é que entre setembro e outubro tenhamos as respostas”, diz. 

O diretor esteve à frente do acordo firmado judicialmente com o Ministério Público, em que a Vale iniciou pagamentos mensais de auxílio emergencial para todos os moradores de Brumadinho. Com duração de um ano, o valor é de um salário mínimo para adultos, 50% do salário para adolescentes e 25% para crianças. 

Leia também: ‘A indenização foi rápida, mas não foi justa
A mulher que perdeu a vida ao tentar salvar a cadela 
O andamento das investigações sobre culpados

Sobrevivente narra fuga e diz que nasceu de novo

Também foram contempladas famílias de municípios entre Brumadinho e Pompéu que moram até um quilômetro da margem do Rio Paraopeba, afetado com a lama de rejeitos. 

“Foi uma preocupação nossa desde o início criar uma composição que suportasse os atingidos de uma maneira mais rápida”, destaca Klein. 

Falta de água

A Itatiaia tem informações de que, internamente, o governo de Minas trabalha com o cenário de uma possível escassez hídrica. 

A Justiça obrigou a Vale a construir uma captação no Rio Paraopeba até setembro de 2020, em um ponto que não foi afetado pelos rejeitos da mineração. Porém, alguns especialistas alertam que, se as chuvas forem escassas, pode faltar água a partir de meados de março. 

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Bolsonaro provoca presidente da OAB: 'Posso contar como o pai dele desapareceu' https://t.co/VL1QAuI1sI https://t.co/uO2itrIBJh

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link