Notícias

Tradicional check-up médico pode prevenir doenças silenciosas, como diabetes e hipertensão

Por Aline Campolina/Itatiaia, 14/01/2020 às 10:22
atualizado em: 14/01/2020 às 10:24

Texto:

Foto: Pixabay/ banco de imagens
Pixabay/ banco de imagens

Janeiro é a época em que muitas pessoas aproveitam as férias para fazerem o tradicional check-up médico. Essa visita de rotina ao consultório pode render vários pedidos de exames clínicos que vão rastrear e apontar como está a saúde do paciente. E são justamente esses exames preventivos que podem identificar alguns males, como hipertensão, diabetes, disfunções de tireoide, nódulos mamários e câncer de próstata.

Segundo Diogo Umann, médico cardiologista, a busca por uma boa qualidade de vida também pesa na hora de fazer um check-up. “Geralmente as pessoas querem começar o ano bem, com uma qualidade de saúde. Então, realmente tem um aumento significativo em janeiro. Aqui na clínica, por exemplo, a gente tem um aumento de mais de 30% de pessoas que vêm para fazer esses check-ups. Mas, qualquer dia, qualquer mês é importante fazer os exames”, explica o médico.

A frequência que o check-up deve ser feito depende de cada caso. “Se oVi paciente tem histórico familiar de hipertensão, de diabetes, esse paciente tem que fazer de 6 em 6 meses. Se o paciente não tem histórico de nenhuma doença, esse a gente fala de um acompanhamento anual. E claro que isso muda muito de faixa etária”, diz.

O acompanhamento infantil também é fundamental. “É muito importante para a criança também, porque às vezes a criança tem anemia, tem uma virose ou um verme que está parasitando e não deixando ela a ganhar peso. E também, às vezes, tem doenças até de histórico familiar, como colesterol ou cardíacas, que são detectadas”, afirma Diogo.

De maneira geral, os exames mais comuns em um check-up são: glicemia em jejum, hemograma, ureia e creatinina, ácido úrico, colesterol total e frações, exame de urina e exames de fezes.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link