Notícias

Tragédia de Mariana pauta ações no Legislativo mineiro

Outras questões ambientais também foram preocupação da Assembleia, como a reestruturação do sistema de meio ambiente, a preservação de nascentes e a conservação de parques

Por ALMG, 27/06/2018 às 13:39
atualizado em: 28/06/2018 às 12:06

Texto:

Foto: Guilherme Dardanhan/ALMG
Guilherme Dardanhan/ALMG

As regiões de Bento Rodrigues, em Mariana, e Barra Longa foram visitados por parlamentares

A Assembleia de Minas acompanhou de perto os desdobramentos da maior tragédia ambiental do País. Com a Comissão Extraordinária das Barragens, criada em 2015, foram realizadas 24 reuniões, 10 visitas e apresentados 164 requerimentos. O Legislativo mineiro analisa ainda dois projetos de lei para aperfeiçoar a fiscalização e a criação de barragens de rejeitos a fim de tornar os processos de licenciamento mais rigorosos.

O relatório final da comissão apontou os impactos ambientais, sociais e econômicos do rompimento da barragem de rejeitos no município de Mariana, na Região Central do Estado. O documento também traz recomendações ao poder público e à própria mineradora Samarco, tendo em vista a ampliação da segurança nas atividades minerárias.

O premiado documentário “Memórias Rompidas”, produzido pela TV Assembleia, resgatou depoimentos, lembranças e fotografias daqueles que vivenciaram a perda de familiares, de pertences e a devastação do Rio Doce.

 

 

Ainda no tema meio ambiente, também foram temas de destaque na Assembleia a reestruturação do Sistema Estadual de Meio Ambiente (Sisema), o uso racional da água, a preservação de nascentes e, ainda, a situação de parques e unidades de conservação.

A Lei 21.972, de 2016, reestruturou o Sisema, que é o conjunto de órgãos e entidades responsáveis pelas políticas de meio ambiente e recursos hídricos, inclusive pelos licenciamentos ambientais. Com a entrada em vigor da norma, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Semad) espera reduzir o acúmulo de processos. O tema foi discutido em várias audiências no Legislativo.

Em 2015, a crise hídrica levou à criação da Comissão Extraordinária das Águas e à realização de seminário legislativo sobre o tema, que avaliou a implementação das leis e colheu sugestões para aprimorar as políticas públicas na área.

A Assembleia de Minas discutiu e deliberou sobre a preservação dos recursos naturais do Estado. A Lei 22.622, de 2017, determinou que um terço dos recursos da chamada Lei Piau (Lei 12.503, de 1997) sejam destinados a nascentes e áreas importantes para conservação das águas.

A Lei Piau obrigou as concessionárias de serviços de abastecimento de água e de geração de energia elétrica a investir, no mínimo, 0,5% da receita na proteção e na preservação ambiental da bacia hidrográfica da exploração. É sobre essa quantia que a nova norma incide.

Já a Lei 22.428, de 2016, criou a Área de Proteção Ambiental do Parque Fernão Dias (APA Fernão Dias), na Região Metropolitana de Belo Horizonte. A norma permite a utilização de parte da APA para abrigar um viveiro de mudas de plantas e um centro de triagem de animais silvestres.

Escreva seu comentário

Preencha seus wdados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Mais de 3,3 milhões de contribuintes recebem restituição do IR nesta segunda-feira. Clique! https://t.co/maZDDQdQng https://t.co/eZ7NS5Hji0

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    Mais de 3,3 milhões de contribuintes serão contemplados. Clique!

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    Atacante foi oficializado neste domingo como novo reforço do Shandong Luneng, da China

    Acessar Link